Vendas do varejo caem 6,1% em dezembro, muito abaixo do esperado; em 2020, alta foi de 1,2%

12/02/2021 13:33

As vendas do comércio varejista caíram 6,1% em dezembro ante novembro, na série com ajuste sazonal, informou nesta quarta-feira (10) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É a queda mais intensa para um mês de dezembro de toda a série histórica, iniciada em 2000.

O resultado ficou muito abaixo do esperado. A estimativa, de acordo com consenso Bloomberg, era de queda de 0,7% na comparação com novembro, enquanto a estimativa era de alta de 5,5% na base anual.

Apesar dos resultados negativos, o acumulado de 2020 fechou com alta de 1,2%. É a quarta vez consecutiva que o comércio apresenta alta anual: 2,1% em 2017; 2,3% em 2018 e 1,8% em 2019. Com o recuo de dezembro, as vendas do varejo se igualaram ao patamar de fevereiro, período pré-pandemia.

No comércio varejista ampliado, que inclui as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção, o volume de vendas em dezembro recuou 3,7% em relação a novembro e fechou o ano em queda de 1,5%, após três anos consecutivos de altas. Em relação a dezembro de 2019, o crescimento foi 2,6%, sexta taxa positiva consecutiva nesta análise.

A média móvel trimestral do comércio varejista foi de -1,8%. Já no confronto entre dezembro de 2020 e dezembro de 2019, o resultado foi uma alta de 1,2%, sexta taxa positiva consecutiva neste tipo de comparação.

O gerente da PMC, Cristiano Santos, explica como a pandemia de Covid-19 impactou diretamente a trajetória de resultados da pesquisa ao longo do ano. “Os resultados da pesquisa costumam ter variações menores, mas com a pandemia, houve uma mudança deste cenário, já que tivemos dois meses (março e abril) de quedas muito grandes”, afirma.

Com a base de comparação muito baixa, o resultado do varejo foi de crescimento de maio até outubro, quando apresentou o maior patamar da série histórica, iniciada em janeiro de 2001, e ultrapassou o patamar pré-pandemia, de fevereiro. “A queda em dezembro é um reposicionamento natural, já que o patamar estava muito alto com os resultados de outubro e novembro”, complementa o analista.

Outro fator de influência para o resultado nos últimos meses do ano é a inflação dos alimentos. Segundo Cristiano, o comércio em hiper e supermercados têm um peso maior para a PMC, quase a metade do resultado total. “O que acontece nos mercados influencia bastante a pesquisa. E, por conta dos resultados recentes do IPCA, o volume de vendas acabou sendo afetado”, justifica. O IPCA é o Índice de Preços ao Consumidor Amplo, pesquisa mensal do IBGE que mede a inflação oficial do país.

O crescimento do comércio varejista no acumulado de 2020 veio após um primeiro semestre de queda (-3,2%) e um segundo semestre de alta (5,1%). O comércio varejista ampliado apresentou a mesma dinâmica (-7,7% e 4,2%, respectivamente) mas o resultado não foi suficiente para a o indicador fechar o ano com taxa positiva.

 

Fonte: Portal InfoMoney



EMISSÃO DA GRCSU

CLIQUE NO BANNER PARA EMITIR O BOLETO

  

Newsletter

Assine a nossa newsletter:

Contato

SINALIMENTOS/ RO Rua Afonso Pena, 1571 - Bairro N. Srª. das Graças - Porto Velho 76804-134 (69)3223-2090/ 9982-4779 sinalimentos.ro@gmail.com
To Top